Podemos dizer que RIOT é um dos responsáveis por alguma da melhor música eletrónica feita em Portugal. Pioneiro na cena zouk bass, Rui Pedro Soares Da Silva Pité, mais conhecido por RIOT, tem deixado a sua marca em registos que merecem repetidas audições e também nas pistas de dança espalhadas um pouco por todo o país – e também lá fora. E é fácil explicar todo esse sucesso – a qualidade explica-oUm DJ set de RIOT é sempre uma viagem exploratória pelas sonoridades urbanas mais recentes e também pelas referências do passado, sem nunca perder de vista aquilo que criou juntamente com Branko, KalafConductor e Blaya, um dos maiores tesouros da música lusófona, os Buraka Som Sistema. Esse som de Lisboa com influências claras na diáspora portuguesa fez dos Buraka Som Sistema uma autêntica invenção sonora – com o dedo de Riot, claro. E essa música que parece querer abraçar o mundo é também aquela que continua a interessar a RIOT, mesmo enquanto DJ a solo: dafro-house ao hip-hop, do kuduro ao drum n’bass, desde que faça sentido, é certo que estará num set de RIOT. Com uma clara preocupação em espalhar aquilo que de melhor se faz na música em Portugal, o set também contém muitas remisturas, bootlegs exclusivos e até algumas versões de músicos como Carlão, Slow J, MGDRV, os próprio Buraka, entre outros… Esta é uma viagem sem limites, pensada para seduzir um público com diferentes sensibilidades musicaise basta ouvir os primeiros minutos para perceber que RIOT é bem-sucedido nesse objetivo.