As garagens ainda têm muito para dar ao mundo. E os portuenses Fugly são um bom exemplo disso. O líder é Pedro Feio, também conhecido por “Jimmy”, alguém capaz de equilibrar dentro de si um técnico de som com um miúdo da escola secundária.

“Jimmy” está acompanhado pela guitarra eletrizante de Nuno Loureiro, o baixo groove de Rafael Silver (The Lazy Faithful) e a explosiva bateria de Gil Costa (The Lazy Faithful e White Haus). Juntos têm animado a cena punk, primeiro nos palcos da cidade do Porto, mas cada vez mais em todo o país.

A descrição feita pelos próprios é bem sugestiva: “proto-pizza e banana-punk, rock-lobster e tartarugas ninja, garage dum miúdo da escola secundária misturado com psicadelismos e a complexidade de quem passou a vida a ouvir tudo o que foi feito nos anos 60 e 70”.

E esse lado melómano também se nota perfeitamente no EP de estreia, “Morning After”, registo editado em 2016.