Criado em Bronx, Fat Joe viveu a dura realidade das ruas nova-iorquinas, experiências que o viriam a marcar profundamente e que foram fundamentais para o seu encontro com a música. Começou a dar nas vistas no início dos anos 90, altura em que o hip-hop explodia em todo o mundo. No grupo “Digging in the Crates Crew”, ao lado de nomes como Diamond D ou Big L, Fat Joe tornava-se um dos nomes mais populares da cena underground desses anos.

Os primeiros hits de Fat Joe estão intimamente ligados a Big Pun, seu grande amigo e influência. “Still Not a Player” e “Bet Ya Man Can’t” são dois bons frutos dessa colaboração. Mas os rappers também brilham juntos no tema “Feelin’ So Good”, grande sucesso no primeiro álbum de Jennifer Lopez.

Aliás, o que não falta no percurso de Fat Joe são colaborações de sucesso: em 2001, aquando do disco “Jealous Ones Still Envy”, fez sucesso em temas tão marcantes como “We Thuggin”, com R. Kelly, e “What’s Luv”, com a cantora de R&B Ashanti. Mais tarde, em 2004, é a vez de provocar polémica ao lado de Ja Rule no hit “New York”.

E 2016 foi, definitivamente, o ano de “All the Way Up”. Com a rapper Remy Ma e as participações de French Montana e Infared, foi nomeado para ganhar o grammy de melhor performance rap e melhor canção rap. “All the Way Up” conquistou milhares de pessoas em todo o mundo e mostrou um Fat Joe em grande forma.